Historial

Historial

Quando em 1979, no extinto jornal "O Nespereirense" por si dirigido, o Pe. Justino Lopes levantava a questão da necessidade de um lar de idosos em Nespereira, poucos ousariam pensar nisso como uma possibilidade real.

Poucos mas alguns, como por exemplo o saudoso Alfredo Monteiro Valente que ao longo dos anos foi juntamente com o referido pároco, lançando sementes de motivação na opinião pública.

Tentando facilitar a questão na parte burocrática e cumprir o sonho, Armando Sousa Soares equacionou a hipótese de ser a Santa Casa da Misericórdia de Cinfães a promover o pretendido Lar de Nespereira.

Contudo, na primeira metade dos anos 90, Ricardo Lima Teles profissionalmente ligado à Segurança Social, lança mãos à obra e em 23 de maio de 1995, funda juntamente com outros 15 elementos, a Associação de Solidariedade Social e Recreativa de Nespereira, para a qual obtêm o estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade Social), vindo a ser também o primeiro presidente da Direção, no triénio 1996/1999, um mandato sobretudo dedicado a questões burocráticas.

É nesta altura associado o primeiro logotipo, bastante simples mas ao mesmo tempo carregado de significado, com duas mãos que se unem, em sinal de solidariedade e cooperação, palavras-chave na ação da associação.

No triénio seguinte, já sob presidência de Alfredo Soares Valente, utilizando e remodelando instalações da paróquia em S.Brás, tem início a aceitação de utentes para o Serviço de Apoio Domiciliário, sendo o primeiro deles José da Silva Gonçalves, conhecido como o “Zé do Meio Quilo”.

É também neste período que a Enf.ª Fátima Sousa cria a primeira equipa de voluntariado, com 20 elementos, que aos finais de semana alternadamente passaram a proceder à entrega das refeições.

Alfredo Soares Valente, presidiria ainda durante novo mandato, num período em que começou a ser executado o projeto de construção do Lar a edificar na Quinta do Tojal, oferecida pelo benemérito e presidente da Assembleia Geral desde a primeira hora, Armando de Sousa Soares, ao passo que a associação ia crescendo, sobretudo a nível dos recursos humanos.

Em 2005, assume a presidência Bernardo Oliveira, num curto trajeto que abandonaria meses depois, sendo substituído pela então vice-presidente, Enf.ª Fátima Sousa.

Tem início uma redefinição estrutural, visando alargar o âmbito da ação social da associação, bem como o território a intervir.

Em 2007 a instituição recebe a Equipa RSI (Rendimento Social de Inserção), num apoio alargado a 4 freguesias (Nespereira, Travanca, Moimenta e Fornelos) e cria a Empresa de Inserção que desenvolve uma política de integração de desempregados no ramo agrícola.

No final desse ano, a associação abandona o projeto de construção existente, que por questões técnicas não reuniu os necessários requisitos para aprovação, e candidata novo projeto, já contemplando uma creche também, que viria a ser aprovado no programa Pares II, e cujo protocolo foi assinado em 29 de março de 2008.

Fruto desta dinâmica e de uma nova realidade, é lançado também o concurso de ideias para a criação de um novo logotipo, hoje em utilização, significando humanos dando as mãos num círculo sobre Nespereira e sobre a Associação. A escolha de três exprime o significado do próprio número: fé, esperança e solidariedade.

Em 20 de março de 2009, um dia memorável, com a assinatura do Auto de Consignação do Complexo Social Armando Soares e o início imediato das obras.

No mês de maio de 2009 a associação recebe um novo projecto, pioneiro no concelho, o Contrato Local de Desenvolvimento Social que procura combater a pobreza e a exclusão social no Concelho de Cinfães, através do recurso a parcerias, um projeto que se manteve no ciclo previsto até 2012.

Em finais de 2012 a abertura de portas do Complexo Social, foi a realização de um sonho, que ganhou contornos oficiais em 13 de setembro de 2013, com a inauguração formal.

2014 começa com uma alteração nos corpos sociais, de onde resulta que à frente dos destinos da associação, passe a estar um habitual colaborador da associação, Cláudio Oliveira, que apostou essencialmente no ajustamento, formação e qualificação dos recursos humanos, bem como na disponibilização de novos serviços aos utentes, sobretudo na área clínica.

A aposta efectiva na Creche e no Apoio Domiciliário, bem como a continuidade da política na Estrutura Residencial (Lar), fazem com que hoje todas as valências tenham patamares de ocupação total ou próxima disso.

Da Segurança Social, a confiança e o alargamento do protocolo do RSI a 10 das 14 freguesias do Concelho e do IEFP a autorização para alargar as áreas de atividade da Empresa de Inserção, esta última entretanto finda enquanto programa financiado.

No final de 2015, mais um projecto atribuído pela Segurança Social, o SAAS (Serviço de atendimento e acompanhamento social) do Concelho de Cinfães, no âmbito da RLIS (Rede Local de Intervenção Social).

Nos últimos anos, o incremento de algumas parcerias, tem também procurado proporcionar mais e melhores condições a utentes e associados da instituição.

O final de 2016 trouxe mais uma excelente novidade e a concretização de um sonho dos atuais dirigentes da instituição, a passagem ao terreno do projeto ReViver, uma equipa cuja ação incide na área das demências, no diagnóstico e intervenção social.

Este projeto mereceu da parte do Município, a celebração de um protocolo, garantindo assim uma intervenção de âmbito municipal.

Se 2016 terminou bem, 2017 e o novo mandato liderado por Cláudio Oliveira, começou de uma forma totalmente inesperada com o anúncio do Presidente da República,Marcelo Rebelo de Sousa, de um donativo que entendeu fazer de parte do excedente da sua campanha eleitoral.

Mais que o valor pecuniário, este gesto deu à instituição uma visibilidade que mostrou ao país o excelente trabalho desenvolvido e que fez por isso mesmo, com que fosse a ASSR Nespereira, a escolha do Presidente, para esse donativo.

Depois de uma primeira receção à Direção da instituição, feita em Lisboa a 5 de março de 2017, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, visitou a instituição a 8 de maio desse ano, assinalando assim um momento ímpar e inolvidável na história da ASSR Nespereira.

O primeiro logótipo da Associação surgiu da escolha efetuada pela direção e o grupo de voluntariado em 1999, representando o aperto de duas mãos, foi alterado para o atual através de um concurso de ideias, o trabalho vencedor foi do Dr. Pedro Semblano, tendo por base os seguintes critérios: a escolha do tipo de letra recaiu no Tw Cen MT Condensed Extra bold pela harmonia e pouca vulgaridade.

Nespereira o local da fundação e sede assume a cor verde, cor da freguesia e que simboliza acima de tudo o vigor e a esperança. Associação de solidariedade social e recreativa, como parte de Nespereira e terras vizinhas assumiu o castanho que personaliza a cor da terra, a maturidade e a responsabilidade.

Os três elementos figurados personificando seres humanos dando as mãos num círculo sobre Nespereira e sobre a Associação. A escolha de três exprime o próprio significado do número: fé, esperança e solidariedade, sendo que as três figuras envoltas no nome personificam a infância, a juventude e a terceira idade (alvos da associação).

As cores das figuras: Vermelho – personifica o sentimento; Verde – personifica o vigor, juventude e esperança; Azul – personifica o céu, o espírito e o horizonte. A alteração do logótipo foi aprovada em reunião de Assembleia Geral a 25 de outubro de 2008.

Logótipo